ÁREA DO ASSINANTE
  Esqueceu sua senha?  

Notícias

Ministério Público recebe denúncia sobre licitação da Ponte do Centro em Blumenau

13 de Setembro de 2017

Pontes existem para ligar lugares, resolver problemas, desafogar o trânsito, trazer soluções, facilitar a logística. Em Blumenau, porém, essa palavra remete, na verdade, a um impasse prestes a completar cinco anos: onde construir a nova estrutura no Centro?

De uns tempos para cá é fácil perceber que há um cabo de guerra imaginário entre as ruas Rodolfo Freygang, no Centro, e Itajaí, no Vorstadt, com lados opostos tentando puxar argumentos para lá e para cá ao longo da margem direita do rio Itajaí-Açu. E esse enredo de longa-metragem ganhou um novo capítulo na última semana, com a apresentação de uma denúncia do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Associação Blumenauense Pró-Ciclovias (ABCiclovias) e Instituto Verdade e Liberdade (IVL) entregue ao Ministério Público Estadual. Sem a característica política que teve em 2012 durante as eleições municipais – em que se ironizava a construção da Ponte do Jean (referência ao deputado Jean Kuhlmann, PSD, então prefeiturável) ou a Ponte do Napoleão (que, naquele momento, apresentou pela primeira vez a ideia de mudar o local da estrutura) –, entidades e especialistas unificaram o tom para brecar a opção apresentada pelo atual prefeito. O objetivo é simples: anular o processo licitatório lançado no dia 18 de agosto.

A denúncia tem seis páginas, foi protocolada na 5ª Promotoria de Justiça da Comarca de Blumenau no dia 8 e está sob análise do promotor André Indalencio. A queixa é baseada em oito argumentos. No primeiro, há uma contextualização do que aconteceu nos últimos cinco anos e, em conjunto, a ABCiclovias questiona a falta de resposta do poder público quanto aos dados técnicos sobre contagem de fluxo de veículos e simulação das projeções; relatório técnico ambiental das duas opções de localização da nova ponte no Centro; relatório técnico ambiental que envolve a questão paisagísticas e os estudos de Impacto de Vizinhança (EIV) e de Impacto Ambiental (EIA).

Conforme o documento, até então essas respostas não haviam sido dadas pelo município. No texto, a denúncia ainda diz que não houve transparência sobre os estudos, análises, projetos e materiais técnicos solicitados através de ofício em 19 de abril e 30 de maio deste ano, que há versões diferentes do projeto atual, que não houve estudo hidrológico e que não há fiscalização de etapas que envolvem o desembolso das parcelas de financiamento da Caixa Econômica Federal. Por último, cita uma petição online com 2,7 mil assinaturas de pessoas contrárias à ponte entre as ruas Itajaí e Paraguay.

Para a coordenadora do IAB – Núcleo Blumenau, Daniela Sarmento, não há informações suficientes para garantir que o novo local da ponte do Centro seja o correto.

– Vemos um problema no processo de encaminhamento e na falta de detalhes. Não estamos convencidos que o modelo da ponte naquele lugar é o correto. Isso não quer dizer que achamos que Blumenau não precisa de pontes, muito pelo contrário – argumenta Daniela.

Carla Cintia Back, professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Furb e coordenadora do projeto Cidades Para as Pessoas, afirma que a petição online feita no início do mês auxilia no objetivo das entidades e pode ser um fator determinante junto ao MP.

– Fazer um abaixo-assinado chama a atenção de modo geral e ajuda a dizer ao Ministério Público que não são apenas duas entidades contrárias à ponte nesse lugar – explica Carla, responsável pelo projeto que dá suporte às entidades blumenauenses em fóruns de discussão e assuntos ligados à cidade.

O secretário de Desenvolvimento Urbano de Blumenau, Ivo Bachmann, afirma ter plena convicção de que a ponte ligando as ruas Itajaí e Paraguay neste momento é a melhor opção para o município. Quanto aos oito itens da denúncia, via assessoria de comunicação, a prefeitura de Blumenau informou que “fará os esclarecimentos sobre a referida denúncia quando for oficialmente notificada” e que “as informações sobre a questão estão sendo reunidas e serão enviadas ao MP por meio dos trâmites e no prazo legal estabelecido”.

Prazo para propostas termina na segunda-feira

Polêmica à parte, o desenrolar do processo licitatório está próximo de ultrapassar mais um obstáculo. Isso porque termina na próxima segunda-feira, dia 18, o prazo para que empresas interessadas apresentem as propostas para a construção da Ponte Norte-Sul. A estrutura terá 200 metros de extensão e duas pistas – porém, a via do sentido Rua Paraguay para a Rua Itajaí será exclusiva para ônibus. Um semáforo irá controlar o fluxo.

A obra será custeada pelo PAC Mobilidade, mas já chegou a fazer parte do Programa de Mobilidade Sustentável, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Fonte: Jornal de Santa Catarina