Prefeitura abre licitação para obras do Parque Linear Anhanduí

O prefeito Gilmar Olarte (PP) assina amanhã às 15h ordem para lançar obras de implantação do Parque Linear Anhanduí.

 

O projeto é orçado em R$68 milhões, o lançamento será realizado na Praça Central do Shopping Norte Sul, na Capital.

 

 

A obra vai beneficiar a região urbana do Anhanduizinho, uma das mais populosa de Campo Grande, com aproximadamente 150 mil habitantes. A construção será divida em seis lotes, com previsão de ser entregue em 18 meses, contando a partir da ordem de serviço. A previsão é que o processo licitatório seja concluído em até 90 dias, já as obras deve começar em junho.

 

A obra contempla além da canalização e a revitalização das margens do rio, o recapeamento da avenida Ernesto Geisel numa extensão de 7,5 quilômetros, trecho entre a rua Santa Adélia (em frente do shopping) até a avenida Campestre, no bairro Aero Rancho; a implantação de seis praças de convívio; pista de caminhada e ciclovia, além de defensas metálicas em pontos de risco para queda de veículos no rio.

 

O projeto elaborado em 2008 foi refeito e contempla medidas para evitar o transbordamento do Anhanduí, que passou a receber uma carga de 10 vezes maior de águas da chuva nos últimos anos.

 

Segundo a prefeitura, esta situação decorreu do processo de impermeabilização do solo, gerado com a construção de novos empreendimentos e obras de pavimentação dos bairros localizados no entorno da bacia que desemboca no rio. A enxurrada ganhou velocidade, passou a chegar com mais rapidez ao leito do rio e, com isto, as margens começaram a desbarrancar e os transbordamentos ficaram mais freqüentes.

 

O projeto prevê a construção de muros laterais com placas de concreto e sistema gabião que permitirá a drenagem e a urbanização com grama, no trecho entre a rua Santa Adélia e a avenida Manoel da Costa Lima. Deste ponto até avenida Campestre, será executado um serviço de controle de água no canal, com escadarias, dissipadores e obras pontuais nos locais que recebem as águas da chuva que descem dos bairros localizados nas duas margens. Os dissipadores, uma espécie de degraus colocados no leito do rio, são necessários para reduzir a velocidade da água e melhorar o escoamento.

 

Todo o sistema de drenagem ao longo do rio será corrigido para pôr fim às enchentes. O fundo do rio não será concretado para garantir sua biodiversidade. Para evitar erosão e manter o leito estabilizado, serão instalados travessões a cada 20 metros.

 

Como a avenida Ernesto Geisel, conhecida como Norte Sul, recebe um grande fluxo de veículos em todo trecho onde haverá intervenção, serão instaladas nas curvas e pontos de risco de defensas metálicas (guard rail) de proteção, evitando queda de veículos.

 

Áreas de convivência

As obras do Rio Anhanduí também vão criar um espaço público de lazer e convivência. Será implantada uma ciclovia de 8,5 quilômetros, que ligará a rua Santa Adélia até a avenida Campestre, já no bairro Aero Rancho, além de pista de caminhada com calçadas largas, acessibilidade nas esquinas e acessos. Para o trecho entre as avenidas Vila Nova Artigas e Campestre, foram planejadas seis praças de convivência.

 

Revisão do projeto

Até que se chegasse a esta versão do projeto do Parque Linear do Anhandui, aprovada há duas semanas pela Caixa Econômica Federal, houve uma série de ajustes e mudanças na sua concepção ao longo dos últimos seis anos. A primeira versão, de 2008, foi concebida dentro do Programa de Saneamento para todos. Previa intervenções pontuais com muro de contenção para conter a erosão nas margens no trecho até a avenida Manoel da Costa Lima. Como as margens não se estabilizaram e continuaram desbarrancando, a Caixa não aceitou o projeto.

 

Seguiu-se uma nova alteração do projeto, prevendo a execução da obra inteira no trecho entre a rua Santa Adélia (av. Salgado Filho) até a av. Campestre (Aero Rancho).

 

“Optamos por um projeto que apontasse para soluções definitivas. Esta é uma obra estrutural, não queríamos um paliativo. A população não tolera mais que se gaste dinheiro público com remendos, que depois de pronto, não resistem a uma chuva mais forte”, comenta o prefeito.

 

Gilmar Olarte resolveu incluir o recapeamento da Norte-Sul (que não estava prevista nas versões anteriores), porque o pavimento da Ernesto Geisel está precário. Uma das nossas metas é buscar recursos para recapear toda a extensão da avenida, chegando até a Mascarenhas de Moraes”, afirma.

 

(Fonte: MS Noticias)

Aproveite todas as licitações públicas em um só lugar!