Concluída licitação para Via 710

Nova avenida vai ligar as regiões Leste e Nordeste da capital, sem passar pelo centro da cidade

 

Lançado em 2009 pelo prefeito Marcio Lacerda, o projeto que prevê a construção da Via 710 teve a licitação homologada nesta terça. A avenida ligará diretamente as regiões Leste e Nordeste de Belo Horizonte, sem passar pelo centro da cidade. Além disso, o motorista terá outra alternativa para chegar à região Norte e à Cidade Administrativa. O contrato será assinado nos próximos 60 dias, e, em seguida, o consórcio que venceu a concorrência terá um ano e meio (540 dias) para executar a obra, que está paralisada desde 23 de julho de 2012.

 

A intervenção faz parte do programa Corta Caminho, que também contempla outras quatro intervenções de mobilidade urbana na cidade. O projeto prevê implantação de uma via com duas a quatro faixas de rolamento por sentido, ciclovias, passeios, canteiro central e sinalizações vertical e horizontal. Ela vai do cruzamento das avenidas Cristiano Machado e Bernardo Monteiro, no bairro São Paulo, até a avenida dos Andradas nas proximidades do bairro Esplanada. Boa parte desse trajeto é paralela à linha do metrô de Belo Horizonte.

 

Para o especialista em transporte e trânsito Silvestre Andrade, a construção dessa ligação é de extrema importância para o funcionamento da cidade. “Belo Horizonte tem que ser pensada de forma diferente, não se pode fazer com que todo mundo venha para o centro, já que os interesses estão distribuídos na cidade como um todo. A Via 710 tem essa lógica e cria novos caminhos que possibilitam novas centralidades, o que é fundamental para que a cidade cresça de forma saudável”, explica Andrade.

 

Atrasos. Segundo a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), a obra, que foi pensada inicialmente para a Copa do Mundo de 2014, teve atrasos motivados por desapropriações pendentes, problemas com as concessionárias e adequações necessárias aos projetos.

 

Na internet, a prefeitura informa que foi feita nova licitação, já que a primeira empresa contratada desistiu da obra. A previsão era que a intervenção fosse entregue em 2012. A nova previsão é que as obras sejam finalizadas em 2016.

Vencedores

 

BRT. O consórcio que venceu a licitação foi o Marins-Conata. A empresa Conata Engenharia também participou das obras para a implantação do Move (nome dado ao BRT) na Pampulha.

 

Detalhes

Projeto. O valor previsto para o projeto executivo foi de R$ 2,9 milhões.

 

Desapropriações. A previsão de gastos com as desapropriações é de R$ 75,2 milhões, entre verbas municipais e estaduais. Foram executados R$ 90 mil pelo município e R$ 14,02 milhões pelo Estado. A Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) informou que os valores das desapropriações, em andamento, estão sendo revistos devido a ações judiciais.

 

Obra. Dos R$ 78 milhões de investimentos previstos nas obras da Via 710, foram contratados R$ 68,28 milhões e executados R$ 1,25 milhão. Do governo federal, os recursos foram captados a partir de um financiamento com a Caixa Econômica Federal. De acordo com o edital da intervenção, o preço-referência dos serviços e obras é de até R$ 70.932.725,12.

 

(Fonte: O tempo)

Aproveite todas as licitações públicas em um só lugar!