ANP arrecada R$ 4,2 milhões com a licitação de áreas para exploração de petróleo

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) arrecadou R$ 4,2 milhões em bônus de assinatura na segunda fase da 13ª Rodada de Licitação de áreas para exploração e produção de petróleo e gás natural nas bacias sedimentares do País, realizada nesta quinta-feira (10). O ágio médio pago pelos compradores chegou a 623,88%.

 

Foram licitadas, nesta segunda fase, nove das áreas inativas com acumulações marginais (pequenos campos terrestres) que irão render, nos próximos anos, investimentos de quase R$ 8 milhões. O leilão foi realizado na sede da ANP, no Rio de Janeiro, e o maior ágio chegou a 3.000%, pagos pela empresa EPG Brasil, que desembolsou R$ 2,577 milhões pelos 14,59 quilômetros quadrados (km²) da área de Barra Bonita, na Bacia do Paraná – o campo mais disputado, com cinco propostas.

 

Ao final do leilão, a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, comemorou o resultado. “Muito bom. Nós ofertamos dez áreas, conseguimos bom resultado em nove (o equivalente a 52,41 km²), o que mostra o apetite de uma indústria envolvendo pequenas empresas do setor de petróleo, que, com risco reduzido, buscam áreas e oportunidades em terra, com o objetivo de inicio imediato da produção”.

 

“São empresas brasileiras buscando oportunidades e atividades de negócios no setor petróleo e enxergando a existência de espaço para o rejuvenescimento de áreas antigas, com acumulações marginais e alongando a vida útil destes campos, gerando emprego e renda”, ressaltou.

 

Nesta segunda etapa da 13ª Rodada, foram ofertadas áreas em seis bacias sedimentares (Barreirinha, Potiguar, Tucano Sul, Recôncavo, Espírito Santo e Paraná). São áreas com pequenas acumulações de petróleo e gás já exploradas, mas que foram devolvidas e tiveram a produção interrompida pela inexistência de interesse econômico, decorrente do baixo retorno do capital.

 

O leilão foi aberto com a licitação do Campo de São João, na Bacia de Barreirinhas, no Maranhão, arrematado pela empresa Oeste de Canoas, que pagou bônus de R$ 227,3 mil (ágio de 386,2%) pelos 5,75 km² pelo campo. O maior volume de campos ofertados está na Bacia do Recôncavo, na Bahia: foram cinco.

 

O único dos dez campos que não obteve oferta foi o de Miranda Leste, no Recôncavo, na Bahia. Ainda no Recôncavo, no entanto, foram arrematados os campos de Paramirim do Vencimento, pelo qual a empresa Newo pagou R$ 251,7 mil, com ágio 505,81%; e o Fazenda Gameleira, pelo qual a Alvopetro pagou R$ R$ 283 mil – ágio de 581,14%.

 

(Fonte: Agência Brasil)

Aproveite todas as licitações públicas em um só lugar!